segunda-feira, 19 de Novembro de 2012

Voltei para o meu blog Flor dos Alpes

Voltei para o Flor dos Alpes: http://www.flordosalpes-edelweiss.blogspot.com



quarta-feira, 14 de Julho de 2010

Verão

É verão, não há a dizer. Já fui operada, correu bem (acho eu, que ainda não fui à revisão!). A casa continua por vender e já baixámos o preço. O carro continua por vender e vamos baixar o preço. Já tenho um apartamento em vista em Lisboa, estamos a negociar o "troca de casa" com o banco, para ficarmos 3 anos só a pagar juros da casa nova e podermos saltar daqui para fora lá para Dezembro ou Janeiro. O ginásio vai andando, mas dá muitas dores de cabeça e lucro só daqui a uns bons meses (anos?). Ando numa fase de "tédio permanente": não tenho paciência para quase ninguém e não me apetece fazer quase nada. Enfim, é verão.

quarta-feira, 19 de Maio de 2010

Operação adiada: é nestas alturas que eu detesto este país

Por incrível que pareça, acabam de me telefonar da CUF a dizer que a médica está doente e que a minha operação, marcada para amanhã há mais de um mês, fica adiada para dia 2 de Junho. Eu sei que é mentira, porque já me tinham telefonado duas horas antes a antecipar a hora da operação e a rapariga disse que tinha falado com a médica, que na altura estava de perfeita saúde! O que eu acho é que a senhora que ia ser operada antes de mim cancelou e a médica inventou que estava doente porque deve achar que ir à CUF operar só uma pessoa não compensa o trabalho que lhe dá. Estou super frustrada porque passei a semana toda a refilar com a Médis porque a minha autorização nunca mais estava pronta e deu-me imenso trabalho a arrancá-la e para além disso já tinha tudo preparado para amanhã. Os médicos portugueses não têm respeito nenhum pelos doentes, e não interessa se é no público ou no privado. E agora eu que me lixe e aguente a ansiedade até dia 2.

terça-feira, 18 de Maio de 2010

Tudo é uma luta

Sonho com um mundo em que as coisas funcionam e em que não temos que lutar constantemente contra tudo e contra todos. A minha operação ao pólipo no útero é nesta quinta feira, e a menos de 48 horas continuo a lutar com a Médis: primeiro, não tinham recebido o fax da médica com o pedido de autorização; depois, afinal tinham recebido mas estavam a analisar; a seguir, o processo estava pendente porque me tinham enviado uma carta a pedir relatórios de exames efectuados (em correio normal, no dia 14 de Maio, que até hoje ainda não recebi); ontem, enviei 3 vezes por fax o relatório da ecografia para lá (para ajudar à festa, estão com o email avariado); hoje, diziam que não tinham lá nada; tornei a reeenviar; tornei a ligar: afinal encontraram um dos de ontem... vão analisar, dizem-me para ligar amanhã; digo que quero a resposta hoje e que quero falar com o responsável; mandam-me esperar; aparece-me a menina a dizer que afinal o departamento médico já autorizou e que vão enviar o termo de responsabilidade para a Cuf... pensam que já acabou? Nem pensem. Amanhã vou ligar para a Cuf e aposto em como não têm lá nada... e recomeça tudo de novo.

terça-feira, 20 de Abril de 2010

Aceitei o bolo e senti-me estúpida

Fui buscar o Miguel a uma festa de anos a casa de um coleguinha. A mãe do menino ofereceu-me uma fatia do bolo de anos e eu, instintivamente, aceitei. Em minha defesa, devo dizer que o bolo era óptimo, de morangos com chantilly. Mas nunca tinha visto a mulher na minha vida e senti-me arrependida e envergonhada assim que acabei de aceitar - penso que era uma daquelas perguntas de simples cortesia a que era suposto responder-se não! E ainda por cima enfiei para o bucho um monte de calorias desnecessárias...

segunda-feira, 19 de Abril de 2010

Indecisão muito séria

Uma amiga perguntou-me se eu estava interessada em concorrer a um lugar de uma pessoa que trabalha com ela e se vai embora. O trabalho é precisamente o mesmo que eu costumava fazer antes de ir para Itália (mas noutra empresa, porque entretanto a minha amiga mudou de emprego), por isso seria muito fácil para mim, mesmo estando sem o fazer há sete anos. O ordenado é razoável, um pouco mais do que eu ganhava quando me fui embora. Seria giro trabalhar com ela, é uma boa empresa e fica no Saldanha, excelente para passeios à hora do almoço. No entanto, não sei se devo candidatar-me porque há uma coisa que me mata: o meu filho. O horário de entrada é às 8.45, o que significa que teria de sair daqui (que estou na parte interior da zona de São Pedro do Estoril) tipo jogos sem fronteiras (10 minutos de carro até um estacionamento mais ou menos próximo da estação, 5 minutos a pé, 25 de comboio, 20 de metro e mais 5 a pé, com transbordo de linha no metro incluído) por volta das sete e meia da manhã, o que implicava nem sequer o ver de manhã e ter que ser o Nuno a arranjá-lo e levá-lo à escola. Depois, o regresso, pior um pouco: a minha amiga diz-me que se costuma sair por volta das seis e meia. Fazendo o percurso inverso, chegaria a casa por volta das sete e meia, oito horas. Teriam que ser os meus sogros a ir buscar o Miguel à escola e a trazê-lo cá para casa ( e Deus sabe como eu enlouqueço quando tenho que ver os meus sogros mais do que uma vez por semana). Enfim, estou um bocado desmoralizada. Por um lado, seria uma excelente oportunidade de voltar a trabalhar na minha área (isto tudo na teoria, claro, que nada me garante que eles me contratavam) e o dinheiro faz-nos falta. Por outro, iria ficar com uma vida pior do que a que tinha antes de sair de Portugal. O Nuno tem um emprego, ganha o suficiente para cobrir as nossas despesas mensais e ainda sobra para meter no ginásio (sim, o nosso famoso negócio é um ginásio) que ainda não se sustenta a si próprio. Não conseguimos juntar nada por causa do ginásio, mas também não nos falta nada. Eu trabalho algumas horas no ginásio, mas obviamente não recebo nada. A sério, não sei o que fazer: aceito um emprego que me vai fazer infeliz e que vai prejudicar a minha vida familiar por dinheiro/carreira? Tenho medo de estar a ser mimada e não querer sacrificar-me, mas tem sido um ano complicado para o Miguel (que mudou para uma escola portuguesa em Janeiro e só agora está a começar a estabilizar, depois conto melhor a história) e custa-me imenso passar de uma overdose de filho para uma mini dose, ainda mais pequena do que a da maioria das mães que trabalham a tempo inteiro.

domingo, 11 de Abril de 2010

Lacónico (por enquanto)

Vou privatizar daqui a uma semana. Explicações do porquê depois. Pedidos para convites para flor.dos.alpes@hotmail.com.

sábado, 10 de Abril de 2010

Sapatarias com secção infantil de jeito, precisam-se

Ou sou eu que não sei procurar, ou os miúdos neste país andam descalços.

sexta-feira, 9 de Abril de 2010

Um bonito tempo

Depois de um domingo de Páscoa gelado, em que morri de frio durante todo o dia, finalmente uma semana agradável, um pouco ventosa demais, mas não se pode ter tudo. Segunda feira é o regresso às aulas, e a vida entra no ritmo normal. Custa a acreditar, mas em Julho já faz um ano que voltámos (e há amigos que ainda nem nos convidaram para ir a casa deles!). Ou seja, há pessoas que eu via mais quando vinha cá 3 ou 4 vezes ao ano! Não é surpresa, faz parte do processo de regresso. Chamemos-lhe uma triagem. No big deal.
(a propósito, isto agora fez-me lembrar uma história: a minha mãe e as minhas tias tinham uma amiga de infância que casou e foi morar para Benfica. Na altura, Benfica era considerado muuuuuito longe, e durante várias décadas só se falavam ao telefone e tinham geralmente um encontro anual, mas às vezes passavam dois e três anos sem se encontrarem. Moral da história: mais vale morar na Alemanha ou na Inglaterra nos dias de hoje do que em Benfica há 30 anos atrás!).

quarta-feira, 31 de Março de 2010

Boa Páscoa!

Sublimação

Bem, e agora para tentar esquecer a vida real, aqui vai a lista das minhas séries preferidas deste ano: Lie to Me; 24; Glee; House; Flashforward; Modern Family (esta é de chorar a rir); 30 Rock; Human Target. E claro, o American Idol e o Hell's Kitchen.

Tanto tempo...

Passei o último mês a resolver os meus problemas de saúde (e ainda nem vou a meio) e também a desembrulhar o maior problema burocrático em que já estive enrolada na minha vida, que para além de me consumir tempo sob a forma de telefonemas, mails, faxes, cartas e deslocações a serviços vários, me consome a alma por se relacionar com o miúdo. Quando finalmente tudo acabar (outro assunto que ainda vai a meio), conto-vos esta história alucinante.

domingo, 21 de Fevereiro de 2010

Continuação das minhas mazelas

A minha densitometria óssea acusou osteopénia, a fase anterior a osteoporose. A ortopedista diz que pode ser de facto o início precoce de osteoporose ou que pode ser simplesmente genético e eu sempre ter tido os ossos assim. Seguem-se análises ao sangue especiais de corrida para esclarecer o mistério!

quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

24 - nova temporada

A temporada 8 do 24 está melhor do que nunca: adoro a mosca morta da Renee transformada em assassina implacável!

Computador baralhado

Quando ia abrir o meu blog, reparei em algo fora do normal: uma carinha de sapo a olhar para mim! Não faço a menor ideia como nem porquê, mas parece que o meu blog se mudou para o sapo. No entanto, continuo a blogar através do blogger... não percebo nada disto!

Vou ser operada outra vez

A médica que me fez a ecografia já me tinha dado a triste notícia: os meus pólipos de estimação voltaram a nascer. A minha ginecologista confirmou o inevitável: é preciso tirá-los com urgência, porque podem dar origem a coisas muito graves quando começam a desenvolver. Consegui negociar a operação para o verão, com o argumento que assim podia ser que aparecessem mais uns quantos e ficavam logo despachados. Ela concordou, mas mandou-me voltar lá se tivesse algum dos sinais de alarme. Isto foi na sexta. Ontem tive os sinais de alarme todos ao mesmo tempo. Bolas, vou ter que marcar consulta e avançar com isto. Começo a ficar farta de anestesias gerais e internamentos.

Coisas de que já nem me lembrava

Cobertores grossos. Lençóis de flanela. Sacos de água quente. Mantas no sofá da sala. Robes. Dormir de meias. Secadores de cabelo. Roupa que não seca nem sequer com o aquecimento ligado. Como é duro o inverno em Portugal.

domingo, 14 de Fevereiro de 2010

Acumulando mágoas ao longo da vida

Tal como nunca perdoei os amigos e família que não foram visitar o meu bébé recém nascido ao hospital ou durante os primeiros meses a minha casa (a vingança foi servida sob a forma de "não convites" para o baptizado), tal como nunca conseguirei perdoar quem não me foi amparar no velório e/ou funeral da minha mãe por motivos que considero fúteis (de certeza que também terei motivos fúteis para faltar aos funerais da família dos outros, isso foi uma promessa feita a mim própria que cumprirei em memória da minha mãe), chegou agora a mágoa de termos aberto o nosso negócio há 10 dias e a maioria da família e amigos ainda não se ter sequer dado ao trabalho de ter pegado no telefone para perguntar como está a correr ou desejar boa sorte. Enfim, não é muito diferente de quando vivia fora de Portugal. Faz de conta que ainda lá estou. Há coisas mais importantes.

quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009

quinta-feira, 24 de Dezembro de 2009

terça-feira, 1 de Dezembro de 2009

Objectos que têm vida própria

Ontem o miúdo andava a brincar e trouxe um chinelo do pai para a cozinha. O pai disse-lhe para o ir guardar, ele levou-o e não falou mais no assunto. Quando fui lá cima, tinha o chinelo no chão do lado de fora do quarto e um bilhete colado na porta que dizia o seguinte: "Querido N., a porta do quarto estava fechada e resolvi esperar aqui fora. Importas-te de me apanhar e levar para dentro? Obrigado.". Parti-me a rir e isto fez-me lembrar uma história antiga: uma vez, andava eu no liceu, estava em casa a estudar e a caneta começou a falhar. Para ver se a conseguia pôr a funcionar bem, escrevi várias vezes "esta caneta está maluca, esta caneta está maluca". Entretanto fui almoçar e deixei a folha em cima da mesa. Quando voltei, os meus olhos abriram-se de espanto ao ver escrito no papel: "eu sou a caneta e não estou maluca, que má educação!". Precisei de uns segundos até perceber que tinha sido a minha irmã às escondidas!

sexta-feira, 27 de Novembro de 2009

Contagem decrescente para o Natal

Começa a sentir-se no ar, e nos meus ouvidos também: a canção da turma do miúdo é "The Twelve Days of Christmas", versão Caribe e os ensaios seguem a bom ritmo. Ando doida à procura de roupa estilo havaiano. Não é fácil, nesta altura do ano!
Adoro esta versão da Natalie Cole, séria até ao oitavo dia e a brincar a partir do nono dia, especialmente a parte em que ela diz "and all that other stuff, you know what I'm talking about". É que, de facto, não há pachorra para repetir tantas vezes as coisas ditas nos dias anteriores!

quarta-feira, 18 de Novembro de 2009

E a nossa obra lá vai andando


Se tudo correr bem, abrimos em Janeiro.

Oito anos

Ainda não me habituei à sensação de ter um filho com oito anos.

Festa de anos com os colegas e festa de anos em casa


Doze miúdos, entre os que confirmaram no último dia, os que confirmaram fora de prazo e os que apareceram sem confirmar. Um foi levado pelo motorista, mas dar prenda, está quieto... Enfim, correu bem, divertiram-se e estou despachada durante um ano.
A festa família/amigos cá em casa também correu bem, a última tinha sido quando ele fez um ano, depois disso estivemos sempre fora, por isso para ele foi uma novidade. Venham muitas mais.

terça-feira, 10 de Novembro de 2009

Agulha num palheiro

O que procuro: um colégio privado que seja, no mínimo, até ao 9º ano, que seja na área de Lisboa, Cascais, Oeiras, Sintra, que não seja de padres e que não tenha um ar deprimente. Até ao momento, depois de analisados sites de dezenas de escolas, só há duas que me parecem boazitas. Tudo o resto é demasiado estúpido para ser verdade. Acho que estou com um problema grave de choque cultural. A sério, começo a achar que o ar é mais respirável nas escolas públicas.

segunda-feira, 9 de Novembro de 2009

Festas de anos e confusões

Ontem só foram 4 meninos da turma dele à festa da miúda no Kidzania (mas não tenham pena que ela tinha 32 miúdos na festa... ou seja, se a turma tivesse ido toda teriam sido mais de 50... é fazer as contas). Ele gostou, mas na hora de pedir no balcão para chamarem a mãe da miúda dos anos para o trazerem cá fora, conforme combinado com ela à entrada, a funcionária insistiu que não tinha maneira de a chamar nem maneira de chamar o meu filho e que eu tinha de ter o contacto telefónico da mãe da miúda para o conseguir fazer. Expliquei que tinha deixado o convite em casa e que não sabia o telefone e se era suposto o meu filho de 7 anos ficar lá dentro porque ninguém me deixava entrar e ninguém ia à procura dele... acabei por me fartar da discussão, liguei para a mãe da miúda (claro que eu tinha o telefone, pensam que sou maluca) que o trouxe cá fora e hoje já escrevi para lá um email a reclamar.
Com 4 meninos na festa do Kidzania, nem me admiro de hoje ser o último dia de confirmações para a festa do miúdo e só ter 5 miúdos confirmados até ao momento... parece que esta gente não gosta muito de festas. Bem, aquilo também é pequenino, seis ou sete miúdos já aquecem o ambiente. Paciência, para o ano corre melhor (numa nova escola, se Deus quiser, que estou farta de enjoadinhos).

sexta-feira, 6 de Novembro de 2009

Acho que o meu carro vai explodir

Tenho o meu carro há pouco mais de dois meses, e é a segunda vez que a marca me pede para levar urgentemente o carro a uma oficina para fazerem uma acção preventiva: a anterior, era não sei o quê do painel electrónico do não sei que mais, esta é o software de gestão do motor ou coisa no género. Para além do incómodo que causa passar a vida a caminhar para a oficina, começo a achar que o carro ainda rebenta comigo lá dentro.

Mini relatório

Sempre que acabam um trabalho que fazem sobre determinado tema durante algumas semanas, trazem para casa um relatório sobre como estão em cada aspecto (comunicação, recolha de informação, clareza na apresentação do trabalho, etc): hoje trouxe para casa o primeiro relatório e teve tudo "ao nível do seu ano" ou "acima do nível do seu ano", para além de uma brilhante classificação em comportamento e cooperação. Bolas para o miúdo, que salta um ano e continua a ter boas notas.

O primeiro divórcio

Não há divórcios na minha família, não há divórcios na família do N. e, até hoje, não havia divórcios entre os nossos amigos. Hoje, uma nossa amiga contou-me que pediu o divórcio ao nosso amigo e, apesar de saber, por vários motivos (a começar pela distância física, ele está a trabalhar em Londres e ela escolheu ficar em Lisboa), que era uma coisa que quase de certeza ia acontecer, não deixo de ficar meia atordoada. A vida é deles, mas acaba por interferir na nossa: liguei-lhe para os convidar para a festa de anos do miúdo que vou fazer aqui em casa para a família e amigos, recebo este choque e fico com a batata quente nas mãos- e agora, convido-a a ela ou convido-o a ele? São nossos amigos, os dois, sempre juntos, há uns 15 anos, vai ser confuso até me habituar.

Imaginext a duplicar e a triplicar

Estão junto às caixas de pagamento do Continente e é uma colecção irresistível: por um euro, compramos um boneco bem giro entre bombeiros, polícias, mergulhadores, batmans, etc. O problema é que não sabemos que boneco vem dentro da saqueta, e se eu começar a contar os que já temos a duplicar e a triplicar, pensando bem não saiem assim tão baratos. E ainda nos faltam nove...

terça-feira, 3 de Novembro de 2009

Concorrência desleal

Veio para casa com o convite de uma coleguinha: festa de anos no domingo, no Kidzania. Assim não vale, na mesma semana e no sítio que é, só prejudica a minha "clientela". Fui ver ao site do Kidzania: 23 euros por convidado parece-me um exagero. Eles são 22, logo, se forem todos, a festa fica-lhes pela módica quantia de 506 euros. Escandaloso.

segunda-feira, 2 de Novembro de 2009

Wanted: confirmações

Entreguei hoje os convites à professora para distribuir pelos miúdos, e, como todos os anos quando cumpro este ritual, lembrei-me de uma história que aconteceu a uma amiga minha quando esteve a morar no Brasil: os convites da festa do filho não pediam confirmação, por isso ela não achou estranho ninguém dizer nada e preparou uma festa em casa dela com imensa comida, palhaços, insufláveis, etc. No dia da festa, não apareceu um único convidado: a professora tinha-se esquecido de entregar os convites! Bem, eu pedi confirmação, por isso se ninguém disser nada até o final desta semana, é melhor ir investigar o que se passa!

sexta-feira, 30 de Outubro de 2009

Novembro está a chegar

1 - Já não tenho caixotes! Bem, tirar as coisas dos caixotes e atirar com elas para o chão da garagem não me parece motivo para grandes orgulhos, mas é melhor do que nada. Mais um ou dois dias de boa vontade e fica resolvido.
2- Já não estamos doentes! A semana de férias do mid-term ficou arruinada, mas pelo menos deu para recuperar e ainda tem hoje e o fim de semana para brincar. Eu também já me livrei quase totalmente da tosse de cão.
3- Já marquei a festa de anos dele! Resolvi fazer no próprio dia de anos, sexta feira dia 13, num parque de insufláveis aqui na zona, porque é 5 euros mais barato por miúdo do que ao fim de semana e porque há muito menos confusão. Eles saiem às 15.30, podem bem ir a uma festa de anos às 16.00. E se forem poucos, eu até agradeço, que nunca me apeteceu tão pouco organizar-lhe a festa.
4- De resto, andamos numa fase complicada, financiamentos, etc. As coisas custam sempre mais do que o que se calcula. Não é fácil, mas já entrámos na fase do no going back, portanto... há que resolver!

segunda-feira, 26 de Outubro de 2009

Aniversário

E eu também estou doente, com uma tosse que até dói, e com tudo isto, até me ia esquecendo de contar que hoje é o dia do nosso aniversário de casamento, 13 anitos.

Socorro

A doença continua: no sábado a febre voltou, fui ter o pediatra dele ao Hospital da Luz, mandou continuar a medicação e disse que era normal. Ontem começou a queixar-se da boca, levei-o à dentista, tem tipo uma ferida no fim da boca, perto das amigdalas, mas não tem nada a ver com dentes. Acho que amanhã tenho de o levar outra vez ao pediatra.

sábado, 24 de Outubro de 2009

Fall back, Spring forward

Fall back esta noite! Uma hora mais cedo que causa muita escuridão ao fim do dia :(

A minha única certeza

Não tenho muitas certezas na minha vida neste momento, mas uma coisa eu sei: estou farta de escadas.

quarta-feira, 21 de Outubro de 2009

Otite armada em amigdalite

Entrei na Cuf Cascais e disse dramaticamente à senhora da recepção: "O meu filho tem uma otite em cada ouvido", afirmação que repeti à médica que nos atendeu. Saí de lá com um diagnóstico de amigdalite. Mas a sério que me tinha parecido que o miúdo tinha uma coisa esquisita em cada ouvido. Não interessa, o antibiótico dá para as duas coisas... não errei por muito!

segunda-feira, 19 de Outubro de 2009

Acabou-se

Parece que finalmente o verão acabou: chegou o frio. E eu que ainda nem desencaixotei as minhas meias!

domingo, 18 de Outubro de 2009

O meu projecto está neste ponto

Ouvi esta canção na rádio e parti-me a rir: é que para além do projecto "grande", eu tenho alguns projectos pequenos a solo, que não avançam nem por nada, precisamente por estas razões:

Castanhas!

Ontem comi as primeiras castanhas do ano! Eu sei que ainda está calor, mas souberam-me muito bem, venham mais!

sexta-feira, 16 de Outubro de 2009

Talvez não saibas

Contam-se pelos dedos das mãos os fados que me dizem alguma coisa, mas este poema do Joaquim Pessoa fica perfeito nesta canção.




Corte de cabelo fail

A sério, o que é que esta tipa me fez ao cabelo? Eu já não sou muito abonada, agora então pareço um pintainho triste. Enfim, entrar no primeiro cabeleireiro que nos aparece à frente do nariz nem sempre resulta.

quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

Isto é normal?

A regra diz que os convites só podem ser entregues dentro da escola se se convidar a turma toda, caso só se queira convidar alguns colegas, os convites terão que ser entregues fora da escola. Até aqui, tudo bem: eu estava a pensar só convidar os rapazes, sou nova na escola, não tenho os contactos de ninguém, fui pedir à secretária do director para me dar as moradas ou os telefones. Resposta: o directório da Associação de Pais só sai em Novembro, depois dos pais assinarem um papel a dizer que autorizam a publicação dos seus contactos, até lá, a escola não pode dar contactos de ninguém. Sim, mas o meu filho faz anos a meio de Novembro, e preciso de entregar os convites no princípio do mês: então posso pedir à professora para entregar os convites? Não. Então posso entregá-los eu à porta da sala? Também não. Está bem, a festa do meu filho garanto que não me lixam, eu convido a turma toda, sua velha estúpida e pedante. Ah, e faça-me um favor: vá à merda.

segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Composição delirante


O miúdo apareceu em casa com um trabalho de casa extra: rescreever o texto que tinha escrito na aula sobre o que tinha feito no fim de semana. Intrigada, fui ler o que ele tinha escrito e só me ria para dentro a imaginar a cara da professora a ler aquilo: a propósito de um Gormiti que a avó lhe trouxe no sábado, resolveu contar que tinha inventado nomes para os Gormitis, e que eles faziam todos anos esta semana, que o não sei quantos fazia anos hoje, e o não sei que mais fazia anos amanhã... a professora escreveu no fim "O que é um Gormiti?" mas na realidade acho que o que lhe apetecia escrever era "WTF é um Gormiti?". Expliquei-lhe porque é que a professora não tinha percebido nada: se já é difícil para quem sabe o que é um Gormiti perceber os nomes que ele lhes inventou, e, pior ainda, as datas de aniversário que ele lhes inventou (temos cantado os parabéns a um Gormiti diferente todos os dias ao jantar...), quanto mais nunca tendo visto um à frente, mas ele continua a achar que estava tudo muito claro e amanhã vai levar um Gormiti para lhe mostrar. Lá reescrevemos o texto, com menos pormenores delirantes e mais informação útil, a professora vai levar com um curso intensivo de Gormitis!

A melhor pasta do mundo


Até nos Estados Unidos se vende De Cecco, mas em Portugal não a consigo encontrar em lado nenhum. O Corte Ingles tem Barilla, sempre dá para substituir, mas o que eu queria mesmo era a minha De Cecco. Pode encomendar-se online directamente de Itália, mas financeiramente é... estúpido.

Do que tenho saudades

- da vista da minha varanda;
- de todos os dias pensar "isto não existe, estou a sonhar", ao admirar a paisagem, sempre que descia a colina da escola;
- do verde brilhante dos prados na primavera /verão;
- de ver cair flocos de neve extra gigantes através do vidro da janela;
- de analisar ao pormenor os flocos de neve e verificar que são mesmo com aquele formato que fazemos nos desenhos;
- do apito do barco a vapor dos turistas a passar no lago;
- dos sinos das igrejas a tocar para a missa;
- das trovoadas;
- da primeira neve do ano;
- dos dias longos de verão (à noite, porque ser completamente de dia às quatro da manhã faz com que se acorde mais cedo);
- da água da torneira com o melhor sabor do mundo;
- dos médicos e dos seus consultórios super equipados;
- da sensação de segurança em todo o lado e a toda a hora;
- de não haver trânsito, com raras excepções;
- dos restaurantes com paisagens de cair para o lado (mas não ganham a um restaurante com vista mar!)
- das piscinas públicas de "luxo";
- dos comboios confortáveis e sempre a horas;
- de tudo funcionar como por magia;
- das estradas sempre impecáveis e bem construídas;
- da limpeza absoluta;
- dos dias fixos para virem buscar a casa o papel e o cartão para reciclagem;
- da água límpida e pura do lago;
- dos corvos tamanho gigante;
- dos esquilos;
- dos meus vizinhos das traseiras: os dois burrinhos e as duas cabrinhas;
- das incontornáveis vacas castanhas;
- das casas totalmente aquecidas durante seis meses por ano (sem ir à falência, como acontece em Portugal se acender dia e noite o aquecimento central);
- do fabuloso isolamento térmico e acústico dos prédios suíços;
- da loja da fábrica da Lindt;
- do meus vizinhos de baixo (os americanos).

Do que também não tenho saudades

- do capacete cinzento quase permanente no céu durante o longo inverno (e ainda custa mais sabendo que acima dos 800 metros está sol);
- de conduzir com neve e gelo, apesar dos limpa neves estarem sempre a limpar as estradas;
- das temperaturas negativas durante semanas a fio e da quantidade de roupa que isso implica sempre que se sai de casa;
- da pele das minhas mãos ficar ferida de tão seca durante o inverno;
- de não perceber quase nada do que as pessoas diziam à minha volta;
- da dificuldade em tratar de certos assuntos por causa da barreira da língua (e mesmo assim, podia ser pior, abençoados inglês e italiano);
- da "praia" do lago (dá para refrescar, mas não se compara a uma praia verdadeira);
- do anexo da máquina de lavar roupa e de secar na minha varanda (uma seca ter que vestir casaco sempre que precisava de lá ir no inverno);
- das regras inflexíveis para tudo e mais alguma coisa;
- da escola não ter portão, não ter vedação, não ter segurança - um verdadeiro espaço aberto que sempre me fez confusão;
- da pouca variedade de lojas e dos preços altíssimos;
- da permanente sensação de que se está a ser roubado (tudo se paga, tudo);
- da péssima carne e do ainda pior peixe, tudo a preços de ouro;
- de ser português ser sinónimo de ser mulher a dias ou homem das obras;
- da patética televisão suíça (nunca se queixem da televisão portuguesa);
- das pessoas serem sempre tão calmas e falarem sempre tão baixo (acaba por ser tristonho);
- de nunca haver vento (às vezes fica irrespirável, por muito puro que seja o ar);
- das tradições e festas suíças (podem ser muito giras, mas não são minhas);

Pior um pouco

Previsão para Lisboa, amanhã: 31, previsão para Zurique, amanhã: 5. Previsão para Lisboa, quarta feira: 31, previsão para Zurique, quarta feira: 4. Quatro graus de máxima em Outubro é o género de coisas de que não tenho saudades.

sábado, 10 de Outubro de 2009

Rir sadicamente

Temperatura máxima prevista para amanhã em Lisboa: 31. Temperatura máxima prevista para amanhã em Zurique: 11.

sexta-feira, 9 de Outubro de 2009

Afinal não sou mãe galinha, há piores

Devido a blog-que linka a blog-que linka a blog, acabei por passar a última hora estupidamente a ler baby blogs com nomes fantásticos tipo "Ritinha e Afonsinho" ou "Super Mamã Orgulhosa". A sério, admiro estas mães: o meu filho foi muito desejado e conseguido à custa de muito sacrifício físico e emocional, mas se me obrigassem a escrever exaustivamente todas as gracinhas dele, desmaiava. Como é possível escrever posts que ocupam uma página inteira a explicar pormenorizadamente o momento em que a Ritinha tropeçou no ursinho de peluche. Que pachorra, de quem escreve e de quem lê!

quinta-feira, 1 de Outubro de 2009

A sério?

Já é Outubro? As semanas voam!

terça-feira, 29 de Setembro de 2009

Terceira vez que chove desde Julho (quem tem relva sabe estas coisas)

A minha nova farmácia é fabulosa

Já fui cliente de muitas farmácias, mas nunca vi uma assim. As portas abrem automaticamente, tem ar condicionado, música ambiente, paredes de vidro fosco que mudam de cor, um flat screen no cantinho das crianças a passar desenhos animados, cadeiras confortáveis, sistema electrónico de senhas, oito simpáticas e competentes pessoas a atender... dá vontade de ir comprar medicamentos!

domingo, 27 de Setembro de 2009

Já votei!

Foi muito giro (não, não estou maluca, há mais de seis anos que não votava, por isso agora tem piada).

sexta-feira, 25 de Setembro de 2009

Saudades?

Perguntam-me muito se tenho saudades da Suíça. Tendo em conta que vivi lá mais de quatro anos, seria uma mentira descarada dizer que não, mas desde que não veja fotografias tiradas durante esse tempo (da escola, das montanhas, dos amigos, de Zurique, etc.), tudo bem. Gostei muito de lá morar, muito mais do que de morar em Milão, mas sempre quis voltar e nunca consegui ser totalmente feliz por sentir que não pertencia ali. Adoro estar cá e não tenho dúvidas que prefiro estar no meu país, mesmo que não tenha a vida servida numa bandeja, como tinha lá. Agora, estúpido é andar a sentir saudades da neve, principalmente ainda nem sendo tempo dela, mas acho que é por saber que não a vou ver. O melhor é plantar umas amendoeiras no meu jardim, como fez a princesa nórdica no Algarve.

Be careful what you wish for

A multiplicação

As desvantagens dos miúdos saltarem um ano é que há sempre coisas que ficam para trás: no caso deste, a multiplicação, que nunca aprendeu e que todos os outros sabem perfeitamente. Eu, que nem sei de cor a tabuada dos 8, tive que lhe explicar como se faz. E fiquei impressionada como ele percebeu de imediato e como consegue dizê-las todas através de as calcular mentalmente, e não de as decorar. Que alívio, menos um problema. Viva o espírito matemático de quem o tem.

Caos organizado

A minha vida continua um caos, felizmente que suficientemente domado para as coisas irem andando sem grandes problemas. Estou encalhada no caixote nº 89, porque preciso de espaço nos armários dos quartos, o que implica tirar tudo, seleccionar e tornar a arrumar. A garagem continua um labirinto de caixotes, o carro do N. ainda lá cabe, o meu dorme na rua durante uns tempos, que não morre. Roupa para passar até ao tecto, uma casa de 4 andares para limpar e um jardim com relva totalmente seca, independentemente da quantidade de rega: doença terminal. Finalmente consegui perceber como a escola funciona: regras, manias, defeitos e trabalhos de casa. Um filho muito constipado na escola, um marido a todo o vapor no nosso projecto (vamos começar as obras muito brevemente), e eu finalmente entrei na fase da estabilização que me vai permitir organizar a minha cabeça e os meus projectos paralelos. Outubro vai correr bem :)

sexta-feira, 11 de Setembro de 2009

Sexta feira, que alívio

A semana foi assim: segunda - primeiro dia de aulas; terça - pedimos reunião com o director; quarta - tivemos a reunião e o miúdo fez testes de leitura, escrita e matemática; quinta - deram a resposta a dizer que o iam passar para o ano 4 (que corresponde à terceira classe portuguesa); hoje- começou o quarto ano. Passou do mais velho da classe ao mais novo da classe em menos de um fósforo. Gostei da primeira impressão, tanto a nível de professoras como de colegas. Acho que valeu a pena o esforço e as dores de cabeça, agora sim, está onde devia estar. E eu vou aproveitar para descansar durante o fim de semana, que isto de ser mãe é muito cansativo.

terça-feira, 8 de Setembro de 2009

Preocupação muito, muito grande

Ontem começou a escola, foi um dia de grande ansiedade e stress para mim, entre o medo que ele reagisse mal e a confusão de ter a professora debitar a quilos de informação aos pais numa reunião às 8.30 da manhã. Hoje, pior um pouco: estou completamente de rastos. A razão é simples - bastou-me um dia, algumas explicações da professora e o que ele me contou ao fim do dia para eu perceber claramente uma coisa: o meu filho está no nível errado. Teoricamente, está no certo, uma vez que ambas as escolas seguem o mesmo programa, mas esta escola tem claramente um ritmo mais lento. Não é uma questão de ele estar um bocadinho adiantado, é mesmo estar muito adiantado em relação aos outros. Já pedimos uma reunião com o director, mas a secretária foi logo dizendo que o ano a seguir ao dele está completamente com lotação esgotada, por isso eu acho que eles vão fazer o possível e imaginário para o manter neste nível. Se isso acontecer, não sei o que fazer.

segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

Um Agosto fabuloso

Faz hoje um mês que chegámos. Um mês que passou a correr, entre as aventuras da mudança e as burocracias necessárias para pôr tudo em ordem. Ainda não me sinto a viver cá, penso que isso só acontecerá quando as nossas coisas chegarem, quando o miúdo for para a escola, quando tiver o meu carro, quando o nosso projecto estiver a funcionar, mas agora já me parece real. Estou absolutamente deliciada por termos voltado, a adorar cada momento, a dar valor às inúmeras coisas excelentes que temos no nosso país, a perdoar as más. A praia, o sol, o céu azul, o mar... isto é mesmo bom, acreditem em mim.

Absolutamente imperturbável

O camião chegou a Portugal na sexta feira, mas a alfândega já tinha fechado. Quando hoje se apresentaram na alfândega para despacho, a nossa carga foi uma das felizes contempladas na selecção aleatória para inspecção ao pormenor. Que será feita amanhã. Ou na quarta. O que significa que só recebemos as coisas na quarta ou na quinta. E que corremos o risco pouco provável mas possível de embirrarem com as coisas que trazemos.Olha, já estou por tudo: ainda bem que não é amanhã que não me dava jeito nenhum!

sexta-feira, 28 de Agosto de 2009

sexta-feira, 21 de Agosto de 2009

E agora algo totalmente diferente

Se eu contasse como a história da mudança continua complicada e como os custos crescem como cogumelos, ninguém acreditava em mim, cheguei ao meu limite e já nem consigo falar sobre o assunto. Assim sendo, mudo de tema para descontrair: o que é que eu faço ao meu nome? Uma Edelweiss / Flor dos Alpes em Lisboa é coisa nunca vista. A fotografia do perfil foi fácil de mudar, mas o nome é mais complicado, até porque implica alterar emails, etc. Bem, vou pensar nuns nomes giros à brava e depois decido.

quinta-feira, 20 de Agosto de 2009

E quase que me esqueço que fiz anos

É verdade, fiz anos no domingo passado: um daqueles números bem bonitos acabados em zero. Um verdadeiro milestone birthday. Estava preparada, mas não deixa de ser uma sensação estranha. Os festejos incluíram a família, mas não os amigos, que, para variar, estão praticamente todos de férias. Em Setembro, farei uma festa tripla para os amigos: o meu aniversário, o nosso regresso e a celebração de uma nova etapa da nossa vida. E, se tudo correr bem, incluirá um brinde à recuperação dos nossos caixotes cheios de bens materiais mas acima de tudo cheios de bocadinhos da nossa existência.

Não, ainda não temos as nossas coisas

Vamos ter que enviar outra empresa para as ir buscar, já estamos a tratar disso. E, entre o que tivemos que pagar à empresa suíça que fez o embalamento e levou tudo para o armazém deles (coitados, até as plantas têm andado a regar e a pôr ao sol, nunca mais digo mal dos suíços) e o que vamos pagar à nova empresa portuguesa que as vai buscar, fica-nos em mais do dobro do preço que teríamos pago se tudo tivesse corrido bem. Agora, o principal é finalmente conseguirmos recuperar as nossas coisas. Em Setembro, vamos avançar com uma acção judicial que tem tudo para ser um sucesso. Não há dúvida, isto parece uma telenovela perfeita para a silly season.

sábado, 8 de Agosto de 2009

Quero as minhas coisas

Data prevista para a empresa de mudanças nos entregar as nossas coisas (que continuam num armazém na Suíça): talvez dia 21. Resumindo toda a situação verdadeiramente kafkiana dos últimos dias: o dono da empresa de mudanças portuguesa diz que se o meu marido lhe continua a berrar ao telefone nos abandona a carga na Suíça e a empresa dona do armazém suíço diz que não nos pode entregar as coisas, mesmo se lhes pagarmos tudo o que os outros ainda não lhe pagaram, porque o contrato que têm é com a empresa de mudanças portuguesa...

sábado, 1 de Agosto de 2009

Resumo alargado de dias alucinantes

Após 15 dias em Portugal, no domingo passado voltámos a Zurich. Na sexta feira anterior, o dono da empresa de mudanças tinha ligado a dizer que o camião estava avariado no meio do caminho e que só conseguia chegar a nossa casa na terça ou na quarta. Foi o cabo dos trabalhos para ele conseguir entender que nós tínhamos a entrega da casa marcada para quarta feira dia 29 às 12:00, que essa data tinha sido marcada, conforme obrigatório, com duas semanas de antecedência, e que implicava não só a presença do representante do prédio como também dos novos inquilinos, pelo que era impossível de alterar. Mil telefonemas depois, conseguimos que ele deixasse o seu irritante "são coisas que acontecem" e finalmente contratasse uma empresa suíça (que por sua vez contratou uma alemã...) para ir empacotar e levar tudo para um armazém. Com tudo isto, a mudança só começou na terça, mas cinco alemães energéticos despejaram-me a casa toda em oito horas. Entretanto, nós limpávamos, limpávamos, limpávamos... os estores suíços são a coisa mais estúpida do mundo para se limpar. Muitas horas de limpeza depois, intercaladas com uma noite a dormir na minha amiga portuguesa (que descobriu há poucos dias que se vai mudar para Londres até ao final do mês de Agosto), conseguimos finalmente ter tudo pronto à hora marcada (a senhora da empresa que gere o prédio tocou à campaínha um minuto depois de eu ter atirado com as coisas da limpeza para casa da minha vizinha). Tudo em ordem, nada a pagar por danos, falta de chaves ou sujidade, e uma hora e meia depois (sim, ela viu ao pormenor cada divisão e tinha um relatório onde ia escrevendo tudo) deixámos de ser residentes na Suíça. Despedidas na minha vizinha (sempre desejei ser a primeira a partir, porque sabia que quem ficasse iria sofrer muito, os miúdos eram inseparáveis e as nossas portas nem sequer estavam fechadas à chave durante a tarde, porque eles passavam a vida a entrar e a sair), desvio até à empresa do N. para entregar o carro dele e a chave do escritório, continuámos no nosso carro e quando chegámos à fronteira de Géneve para pedir um carimbo que precisávamos num documento do carro descobrimos que já tinha fechado às cinco. Tivemos que ir dormir ao hotel que tínhamos marcado em França, a 150 km da fronteira, e na manhã seguinte voltar tudo para trás para a Suíça... o que deu origem a um longo dia de viagem na quinta feira: Grenoble - Genéve - Géneve - Madrid. Ontem, Madrid-Lisboa, foi uma brincadeira de crianças. E pronto, a nossa luta agora é convencer os senhores da empresa portuguesa de mudanças a ir buscar as nossas coisas à Suíça - talvez nos entreguem no dia 10 ou 11, dizem eles... já percebi que se entregarem no dia 17, é uma grande sorte. Enquanto não tiver cá as coisas, e apesar de nada em especial me fazer falta, ainda não me sinto a morar cá.

Dia 1

Chegámos definitivamente ontem ao fim da tarde.

quarta-feira, 8 de Julho de 2009

Novamente de partida

Amanhã vamos para Portugal, duas semanas que começam com um casamento, continuam no Algarve e terminam com a festa do 60º aniversário da minha sogra. Depois voltamos exclusivamente para a mudança, limpeza do apartamento e entrega do mesmo. O hamster está por um fio, coitada da minha vizinha que vai ficar com ele, acho que vai ter que organizar um funeral. Hoje vem cá a futura inquilina para ver os meus armários e os meus candeeiros, espero que pelo menos compre os armários, não preciso deles nos quartos na casa de lá e são demasiado altos para pôr na garagem ou na arrecadação. Até breve!

quinta-feira, 2 de Julho de 2009

Pessoas cómicas, um pouco estranhas, mas prestáveis

O melhor modo de descrever a minha manhã no Consulado, onde tive que tratar de 3 assuntos diferentes com 3 pessoas diferentes e que envolveu explicações exaustivas sobre coisas que não desejo a ninguém pelo trabalho e complicação que são (exemplo: como sacar os fundos que se descontou para a pensão de velhice sem os suíços inventarem mil obstáculos ao levantamento), é o comentário do miúdo quando finalmente saímos de lá para fora: "Mãe, porque é que estas pessoas falam tanto e tão alto?", "São portugueses...", respondi-lhe :)

quarta-feira, 1 de Julho de 2009

A boa notícia do dia

Finalmente, alguém para nos substituir em Agosto no apartamento: uma médica suíça que trabalha num hospital aqui perto, marido e duas filhas pequeninas, já aceites pela empresa que gere o prédio. Estamos salvos.

terça-feira, 30 de Junho de 2009

Um problema tipicamente meu

Não estou espantada porque este tipo de coisas acontece-me com frequência: precisamente esta semana, quando já tinha o veterinário marcado para passar a declaração a dizer que o hamster está bem de saúde, necessária para podermos entrar com ele em Portugal, o hamster está doente (ou velho?), sem força nas pernas. Declaração de boa saúde já dançou, vai ter que ir ilegal (se não morrer até dia 9).

Maeve, uma boxer muito tonta

Passear a cadela da vizinha de baixo, que está nos EUA, até podia ser giro, mas com este calor quase morro. Bem, só faltam 9 dias... e à chuva ainda deve ser pior. Ter um cão deve ser muito giro, mas esta coisa dos passeios é uma grande prisão.

segunda-feira, 29 de Junho de 2009

Mazelas turcas

Em primeiro lugar, o maior escaldão de ombros da minha vida. Nunca tive nada de semelhante, ao ponto de não aguentar nada a tocar-me nos ombros. Demasiado tempo dentro de água. Agora tenho a pele a cair, um aspecto horrível, e ainda por cima tenho um casamento em Portugal no dia 11 e o meu vestido é sem mangas. Lindo. Em segundo lugar, uma enorme ferida no braço, resultado de uma descida vertiginosa num dos escorregas aquáticos do hotel. Está com um aspecto nojento e ainda meio aberta, pois não conseguia sarar por causa dos banhos. Em terceiro lugar, uma queimadura no braço do N., devido a ter tocado na frigideira das fajitas, num dos restaurantes do hotel. Ao menos o miúdo não sofreu nada, menos mal.

E a Turquia?

Ah, é verdade, a Turquia. Foi giro, tipo resort da República Dominicana em paisagem tipo Creta. Praia grande, areia castanho razoável, mar limpo e quente. Muitos crepes e gelados. Valeu a pena.

Socorro, que morro de tédio

Como não estivemos cá durante a toda a semana passada, lembrei-me de fazer uma coisa muito suíça: marcar uma open house para os possíveis interessados no apartamento para hoje. Uma open house implica que as pessoas apareçam sem marcação prévia, num dia fixo e durante determinado periodo. Eu, como sou uma mãos largas, estipulei um periodo de 3 horas, das cinco às oito. São seis e dez, ainda não apareceu ninguém, não me atrevo a fazer nada para não desarrumar a casa e estou quase a morrer de tédio ( e de calor, que estão 27 graus aqui na minha terrinha). Que seca. Bolas para isto.

sexta-feira, 19 de Junho de 2009

Notas soltas

Hoje, primeiro dia de férias - estava um bocado deprimida porque é o último dia que ele vai estar com os vizinhos de baixo, mas já estou fartinha deles todos e ainda agora são 2 e meia da tarde. Amanhã, Turquia - sol e 34 graus, isto promete. Substituto para o apartamento - por várias razões, perdi todos pelo caminho; vou fazer uma open house quando voltar da Turquia, pode ser que apareçam mais uns quantos interessados. Televisão grande e pesada - ninguém a quer, já vou na segunda baixa de preço - não me apetece nada ter que espetar com este mono na arrecadação - acho que vou dá-la a quem a quiser quando chegar a Portugal. Tempo - ontem, 29 graus e sol a escaldar, hoje, 19 graus e chuva torrencial. Estado de espírito: muito atordoada, ainda bem que vou de férias.

quarta-feira, 17 de Junho de 2009

Férias Grandes: 11 semanas

A última assembleia da escola foi hoje, especial despedida dos que partem. Tinha andado a mentalizar-me que não ia chorar, mas só aguentei 10 segundos. Resolvi não lutar contra a emoção e durante 45 minutos de discursos, canções e histórias sobre mudanças e despedidas, aproveitei para despejar as lágrimas armazenadas à espera da oportunidade certa. O que vale é que a italiana que estava sentada ao meu lado estava na mesma figura. Ele, obviamente, não se emocionou minimamente, a única coisa que lhe interessou foi o porta chaves com um badalo em miniatura que lhe deram como recordação da escola e da Suíça. Amanhã é o último dia de aulas, vão ser umas longas férias, pois a escola em Portugal só começa a 7 de Setembro.

Apanhado a pesquisar no Google

"Onde vamos viver quando o mundo for destruído?". Interessante dúvida existencial aos sete anos de idade.

sexta-feira, 12 de Junho de 2009

O ano lectivo está mesmo a acabar

As aulas acabam na próxima quinta feira: na quarta foi o concerto de verão (cantaram canções sobre animais, foi muito, muito engraçado), hoje foi a festa do ano dele (as quatro turmas juntas numa competição de jogos como o limbo, o jogo de puxar a corda, e o mais apreciado, guerra de balões de água, seguido de gelados e prémios - e uma t-shirt da escola com a fotografia da turma e assinada por todos para os que se vão embora), na próxima quarta feira será a última Assembly de alunos do ano, especial despedida dos alunos e professores que se vão embora (nunca se viu nada assim - estive a ver o Goodbye Board e só na parte da primária vão-se embora 72 miúdos de uma virada). Quatro dias para o fim. Quatro anos e meio nesta escola. A escola é dele, mas eu é que choro sempre que me emociono com estas últimas actividades.

E acho que vou fechar as vendas também

Acabei de fechar negócio com a minha amiga suíça: vai comprar-me a mesa da sala, a mesa do computador e uma televisão. As coisas que me faltam vender são insignificantes, por isso acho que deste assunto também estou despachada. E de amanhã a uma semana estou com os pés enfiados nas águas quentinhas da Turquia (sim, também já está pago, não, não posso cancelar sem perder todo o dinheiro).

Acho que já chega

Acho que vou tirar o meu anúncio da casa: já tenho seis pessoas interessadas que vão enviar a folha de candidatura, a empresa que gere o prédio já pode entreter-se a escolher a família politicamente mais correcta (de certeza que não é uma maluca que me apareceu cá hoje, suíça mas com muitos anos de vida na América do Sul, a dizer que é broker por conta própria e com um peito descomunal, nitidamente não natural). Eu aposto na suíça que viveu na América, casada com australiano e com dois enteados australianos ou na alemã por nascimento, americana por crescimento, casada com alemão e com uma filha bilingue, uma bonequinha linda mas cheia de energia. Sim, sei tudo sobre os meus candidatos: não que me interesse, mas tenho um pacto com a minha vizinha americana, que está cheia de curiosidade para saber quem são os próximos vizinhos de cima, para sacar todas as informações possíveis. E acreditem que me tenho saído muito bem na minha função de detective!

quinta-feira, 11 de Junho de 2009

Praticamente acampada

Que eu tenha conseguido vender o sofá da sala, o barbeque, as cortinas black out, os skis, a passadeira de correr e outras coisas no género, eu até compreendo. O que me espanta é como é um rapazinho inglês saíu daqui todo satisfeito com a minha mobília de quarto debaixo do braço. Eu sei que nos hotéis também dormimos em camas onde dormiram outras pessoas, mas faz-me confusão! Todos os dias me lembro de mais qualquer coisa para vender, acho que estou viciada.

Deixem-me trabalhar

Tenho um anúncio pago a peso de ouro para conseguir alguém para arrendar este apartamento a partir de Agosto, mais uns quantos anúncios à borla para vender mobília e afins, e uma trovoada monumental na terça à noite rebentou com tudo aqui na zona: internet, telefone e televisão. Ontem, nada funcionou durante todo o dia. Hoje, já tenho internet e televisão, mas o telefone continua marado. Assim não dá para fazer negócios.

domingo, 7 de Junho de 2009

Dancing with the Storms

Estreou na sexta feira, um filme documentário que eu não quero perder antes de me ir embora: Dancing with the Storms , o estudo de 3 trovoadas monumentais suíças, daquelas vindas do nada, que eu tanto gosto.

sexta-feira, 5 de Junho de 2009

Escolas, piscinas, praia e franchising

Fomos à Expo Franchise, não valeu um caracol. Negócios totalmente idiotas e sem provas dadas ou negócios ligeiramente famosos e totalmente oportunistas (eu queria abrir um Minipreço, acho que era hilariante, mas o meu marido não tem sentido de humor e não me deixa). Também fui ver as escolas, a nº1 ,a verdadeira, onde ele já está inscrito e a opção nº 2, só para comparar. Chocante, a qualidade das instalações (a nível de interiores, que por fora é tudo muito bonito...)comparativamente com o preço das mensalidades. Na escola nº 2, a biblioteca da primária dava vontade de rir (ou de chorar, no meu caso vieram-me as lágrimas aos olhos ao comparar com a biblioteca da escola daqui). Apesar de tudo, fiquei contente por ter escolhido a escola nº 1, não só por o programa seguido ser o mesmo daqui mas também por me parecer mais semelhante a nível de ambiente. Também andei à procura de uma nova piscina municipal que abriu lá perto de minha casa, para saber se as inscrições para as aulas de natação já estavam abertas (tenho a impressão que estou a ser demasiado suíça - ninguém inscreve miúdos em Junho para aulas de natação em Setembro, pois não?) mas eu toda a vida morei em Lisboa, a linha de Cascais ainda tem muitos segredos para mim, e não consegui dar com aquilo, tenho que descobrir a morada completa, ainda só sei a zona. E, last but not least, fomos à praia! A água estava gelada, a praia a abarrotar de gente, mas eu adorei, só se dá valor ao mar quando se fica muito tempo longe dele.

Alfacinha em vez de Edelweiss

Foi a primeira vez em mais de seis anos que estive em Portugal sem o espírito de mera turista em férias. Dei por mim a prestar atenção a pormenores, a pensar "ah, então é aqui que se trata disto", a estudar alternativas. A primeira vez que estive em Lisboa como se nunca de lá tivesse saído. Vai ser bom voltar.

Sem tempo para nada

É a minha oitava mudança de casa, mas está a dar-me mais trabalho do que as outras todas juntas.

sexta-feira, 29 de Maio de 2009

Quatro dias de calor (espero)

Estou a fazer a mala para Lisboa e acabo de descobrir que está uma caloraça em Portugal. Deixa-me cá enfiar os fatos de banho na bagagem, parece que afinal vamos à praia! Até para a semana!

quarta-feira, 27 de Maio de 2009

A todo o vapor

Paris estava espectacular como sempre, a Disney estava apinhada de gente como sempre, e eu ando enfiada no meio de orçamentos de mudanças, venda de mobília cá, venda de mobília lá, documentos e burocracias na Gemeinde e no Consulado, publicação de anúncios para arranjar alguém para nos substituir no apartamento, e agora até descobri que o hamster tem que ir ao veterinário para ser vacinado porque sem esse certificado de vacinação não pode entrar em Portugal!

quarta-feira, 20 de Maio de 2009

Agenda

Já vos disse que no fim de semana de 30 vamos a Lisboa? Ai, pois vamos. Para a semana explico melhor, agora vou fazer a mala para a viagem de amanhã.

Mudanças tugas

O esquema é arranjar uma empresa de mudanças portuguesa que nos venha buscar as coisas, em vez de contratar uma suíça que nos leve as coisas pelo dobro do preço. Escolhi oito, enviei mails e pensei que ia ser uma confusão, por causa do orçamento. Afinal é muito simples: para além de todas terem respondido de imediato (anda aqui um dedo de crise em tanta competência, na minha opinião...), basta fazer uma lista dos bens a transportar, tirar fotografias de cada divisão da casa, explicar acessos, elevadores, facilidade de estacionamento e essas tretas todas e eles enviam o orçamento. Hoje vou ter um dia interessante, a fazer a lista e a preparar as fotografias!

Put the cream !

Hoje está um calor de cair para o lado, 28 graus sem vento é tipo estar no deserto, tive que encharcar o miúdo em protector solar, porque em Maio do ano passado apanhou uma alergia chamada "sensibilidade à luz" ou coisa no género, ficou todo às manchas vermelhas durante uma data de dias. Não há dúvida, o verdadeiro verão aqui é o Maio e o Junho.

terça-feira, 19 de Maio de 2009

Acabar onde se começou

Sempre aproveitámos os feriados de Maio para visitar vários sítios na Europa, uns de carro, outros de avião. São dois ou três fins de semana longos absolutamente preciosos, tendo em conta que o feriado seguinte é a 1 de Agosto e depois só o do Natal... Por mera coincidência (quando marcámos ainda não tínhamos decidido ir embora), vamos acabar no sítio onde começámos quando viemos para cá, há 4 anos: em Paris e na Disneyland Paris!

segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Operação mealheiro

Abrimos o mealheiro, contámos todas as moedinhas, fiz o câmbio, entreguei-lhe o equivalente em euros e agora vou gastá-las pouco a pouco no supermercado. Setenta francos em moedas de 5, 10 e 20 cêntimos, que pachorra.

domingo, 17 de Maio de 2009

Sete vidas

Há exactamente um ano atrás, estava a ser operada numa clínica de Zurique, aterrorizada com o possível resultado da biópsia, desesperada por ter que lá dormir, conformada com mais uma anestesia geral e a pensar seriamente que era nova demais para morrer. Um ano depois, preparo uma vida novinha em folha a começar do zero!

sábado, 16 de Maio de 2009

Verão primaveril, primavera estival ou "toma lá bom tempo que é para não seres parva e não te ires embora"

Estamos a ter um Maio absolutamente fabuloso, e vai continuar assim de acordo com as previsões: 25 graus e sol, melhor do que no verão. Já não posso usar o argumento "ainda por cima nesta terra está sempre mau tempo".